Tamanho da letra:
Projeto de recuperação lagunar no RJ


A região deve receber mais R$ 650 mi do Fecam para serem investidos na conclusão do saneamento da Barra, Recreio e Jacarepaguá

Fonte - Ambiente/RJ

Uma ilha-parque ecológica no complexo lagunar da Barra e de Jacarepaguá formada com sedimentos que serão retirados do fundo das próprias lagoas da região. Inédita no país, a iniciativa faz parte do Projeto de Recuperação Ambiental do Sistema Lagunar da Barra e Jacarepaguá apresentado nesta semana pelo secretário estadual do ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc. O projeto – que faz parte do Caderno de Encargos das Olimpíadas de 2016 – tem como objetivo a dragagem das assoreadas lagoas, com sua revitalização ambiental.

Orçado em R$ 550 milhões, o projeto de recuperação ambiental do sistema lagunar da região inclui a dragagem de aproximadamente 5,7 milhões de metros cúbicos de sedimentos poluídos, desde a entrada do Canal da Joatinga, se estendendo pelas lagoas de Marapendi, Tijuca, Camorim e Jacarepaguá. O plano prevê ainda o prolongamento do Quebra-Mar em 180 metros de extensão, na desembocadura do Canal da Joatinga, onde será construído um restaurante panorâmico.

Parte dos sedimentos dragados do fundo das lagoas da região será acondicionada em geobags, mesmo material utilizado para acondicionar o lodo poluído que vem sendo retirado do Canal do Fundão. Essas bolsas serão dispostas em uma área já assoreada, entre as lagoas do Camorim e da Tijuca, formando uma ilha de mais de 444 mil m². Os geobags serão então cobertos por camadas de terra e argila, formando uma ilha-parque, com árvores, trilhas, um centro de visitação, áreas de lazer e atividades de educação ambiental e de ecoturismo.

“Vamos transformar um passivo ambiental em um ativo ambiental. A ideia é aproveitar essa parte assoreada e transformá-la em uma ilha. Isso vai baratear em 40% o preço do projeto. Experiência já adotada em países como Canadá e Alemanha, a ilha ecológica é uma novidade no Brasil, pois um dos fatores que encarecem é a logística do transporte do bota-fora, resultado de dragagem”, afirma Minc.